Notícias

Epongoloko Lyukãy cresce com novo grupo de mulheres em formação

Arrancou em abril mais uma edição da formação para a mulher do projecto Epongoloko Lyukãy. Inserida no Programa de Desenvolvimento Multidimensional, iniciou a terceira edição desta formação, com o objectivo de beneficiar as mulheres que nela participam, na esperança que esta proporcione uma mudança nas suas vidas, tanto do ponto de vida pessoal como social. “Espero depois da formação ser uma boa Mãe, que possa aprender mais e ensinar também”, conta a Mamã Adelina, de 52 anos.

Desde 2011 tem sido feito um trabalho mais específico e focado no desenvolvimento e empoderamento da mulher do Bairro da Graça, em Benguela. Depois de algumas formações em liderança e gestão de pequenos negócios, e do apoio na criação dos mesmos, foi desenvolvida, em 2015, uma proposta para um plano de formação para a mulher, o qual pretende trabalhar as dimensões pessoais, sociais, profissionais e empreendedoras, e ainda, numa fase posterior, ajudar na criação de pequenos negócios que se reflictam num aumento de rendimentos para estas mamãs e suas famílias.

Tendo sido criadas as condições para reproduzir esta formação, e havendo no Bairro da Graça uma procura pela mesma, em 2016 foi replicada esta formação a um novo grupo de senhoras, e agora, uma vez mais, arranca o terceiro grupo, constituído por cerca de 20 mulheres, jovens e adultas, maioritariamente residentes no Bairro da Graça.

O primeiro módulo desta formação, com a duração de duas semanas, trabalha o desenvolvimento pessoal e social da mulher: aborda as questões de género, mas sobretudo ajuda cada uma das beneficiárias a enriquecer-se por via da afirmação da sua identidade e dos seus talentos.

Este primeiro módulo de formação é o ponto de partida para as fases seguintes, onde se pretende possibilitar às mulheres adquirir competências técnico-profissionais em contexto de sala de aula e em contexto de trabalho, de forma a poderem experimentar novas atividades que possam vir a colocar-se-lhes como opções de vida profissional. Nesta segunda fase da formação, as senhoras aprendem pequenos ofícios, como bordados, crochet, artesanato, compotas e sabão, tendo como formadoras as outras mamãs do projecto que as antecederam na formação. Posteriormente irão frequentar dois estágios profissionais: o primeiro de cuidados de infância, numa creche, e um outro de serviços domésticos, num hotel na cidade. Em paralelo a esta capacitação pretende-se trabalhar conteúdos de emprego e empreendedorismo de modo a despoletar um processo de opção vocacional, sendo este o terceiro e último módulo da formação. Todo este processo de formação terá a duração de quase três meses.

Para este início de formação, contamos com a presença da Olga e do Faustino, dois jovens do bairro, que mais uma vez se disponibilizaram para serem formadores deste grupo de senhoras, partilhando com elas os seus conhecimentos e desenvolvendo e aprimorando as suas competências pedagógicas. Para ambos, que já acompanharam as edições anteriores deste programa de formação, constatam uma mudança ao nível das participantes. “As mamãs agora participam mais, são mais faladoras, não têm tanta vergonha”.

3 Edicao Formacao Epongoloko Lyukay

Estará esta sociedade a dar sinais de desenvolvimento? Serão pequenos passos de mudança?

Quando questionadas sobre as motivações para a participação nesta formação, as respostas não variam muito: “quero ser uma mulher formada!”, argumenta a Fina, jovem de 20 anos. Para além de movidas pela grande vontade de aprender e conhecer novas realidades, e da expectativa por melhores condições de vida para as suas famílias, muitas destas senhoras partilharam como motivação para frequentarem esta formação, o desejo generoso de ajudar também outras mamãs do bairro. “O meu objectivo é de aprender toda a formação e não desistir da equipa, para ensinar outras pessoas que estão desempregadas e ajudar o desenvolvimento do nosso país”, explica a Joana Inês, de 32 anos de idade. Por sua vez, a Rosalina Satetela, de 43 anos, conta que se inscreveu nesta formação “para adquirir mais conhecimentos no âmbito teórico e prático e capacitar-me ao ponto de ajudar as outras mulheres dentro ou fora da comunidade”.