Notícias

Porto Alegre dá voz às mulheres

Realizou-se no passado dia 9 de julho uma palestra sobre o tema “Promoção dos direitos e da participação das mulheres na sociedade”. Iniciativa dinamizada e preparada pelo Grupo Comunitário de Porto Alegre e pelo Grupo de Mulheres “Trabá só cá dá tê” com o objetivo de provocar o debate e divulgar informações sobre este tema ainda muito delicado na sociedade santomense.

A oradora da palestra foi a Dra. Vera Cravid, procuradora do Ministério Público de São Tomé e membro da Associação de Mulheres Juristas. Graças ao dinamismo e dedicação das mulheres do grupo e de elementos do Grupo Comunitário foi possível ter a sala cheia, o que proporcionou um debate aberto e franco dos participantes. Muitos dos assuntos tratados provocaram até espanto nos homens, mas também nas nas mulheres presentes, sendo esta uma oportunidade única de cada um ficar a conhecer os seus direitos e deveres. Numa sociedade dominada pelos homens, dar espaço e voz às mulheres que desempenham um papel fundamental no crescimento e afirmação deste pequeno país é sem dúvida um fator de desenvolvimento.

Promocao dos direitos e da participacao das mulheres na sociedade

Para além deste tema surgiram, no decorrer do debate, outros temas também fraturantes como o problema do alcoolismo nos menores e mulheres, algo que tem vindo a mudar o paradigma e costumes num povo que enfrenta novos desafios, fruto da atual situação económica e de se tratar de um país jovem, que começou há pouco mais de quarenta anos a enfrentar por si só todos os desafios de criar uma nação.

No rescaldo desta atividade ficou patente o desejo de repetir iniciativas do género, que dêem voz e conhecimento às comunidades de uma das zonas mais pobres do país.

No final houve tempo ainda para a partilha de um pequeno lanche que vincou a fraternidade e o convívio entre todos os presentes.

Na voz da Dra. Vera Cravid ficou o agradecimento pelo convite endereçado e a disponibilidade quer dela, quer do poder central para impulsionar novos eventos que ajudem modelar comportamentos, fruto de uma mentalidade mais aberta e consciente. Só assim será possível educar cidadãos íntegros, (in)formados e capazes.