Testemunhos

Um novo desporto: um ano ou 365 dias?

A vontade de ser melhor e mais competente é inerente ao Homem. Queremos ser melhores, ou os melhores nuns casos mais egocêntricos, e é assim que, de uma forma ou de outra, as coisas vão avançando. Inventam-se novas coisas, descobrem-se outras, tenta-se, falha-se, acerta-se, enfim… faz-se.

O mundo do desporto não é exceção e ver atletas de renome a quererem ser mais rápidos, saltar mais alto ou marcar mais golos é algo que a sociedade já nos habitou.

Hoje, venho falar-vos de um desporto novo: maratona de estafetas.

No passado dia 14 de setembro, passei a barreira dos 365 dias nesta magnífica ilha onde brota cacau, café e simpatia. Não foi apenas um ano, foi uma sucessão de 365 dias: uma verdadeira maratona, dia após dia de uma verdadeira correria.

Agora, depois de um longo período onde não me faltou trabalho, em que dei o que tinha e o que não tinha, chegou o momento de passar o testemunho para que a estafeta prossiga.

Isso mesmo. Tal como numa prova de estafetas, agora chegou o momento de passar o testemunho, não numa prova de velocidade, mas numa maratona de 365 dias.

Por estes dias, numa altura em que já fui tomado pelo cansaço e pelas saudades de casa, percorro o Bairro da Boa Morte acompanhado pela Constança, nova voluntária LD, que vem prontíssima e cheia de energia para dar tudo pela camisola por, pelo menos, 365 dias.

Os projetos dos Leigos para o Desenvolvimento são assim mesmo: uma maratona de estafetas em que, ano após anos, nos revezamos e nos entregamos sem reservas ao serviço, à missão e à comunidade que nos foram confiadas.

A lógica é de continuidade e cada leigo, antes do seu próprio nome, é leigo. Os nomes e as pessoas passam, mas os Leigos [para o Desenvolvimento] continuam.

Então, agora dedico-me a colocar a nova maratonista a par do que aconteceu enquanto carreguei o testemunho. Apresento-lhe as pessoas, os sítios, as atividades, os projetos, as equipas, acompanho-a na última Reunião do Grupo Comunitário na minha presença, continuando o debate sobre os problemas que afetam o bairro como a falta de uma creche ou o saneamento. Introduzo-a ao Mário, ao Ibradehim, à Áurea, à Chenise que com o apoio dela farão a Coordenação do Grupo Comunitário, pessoas com quem tanto vivi e que agora prosseguem a maratona: uns verdadeiros ultramaratonistas.

Reuniao Grupo Comunitario Boa Morte copy

Os mais despertos perceberão a importância deste processo. Também para nós, Leigos para o Desenvolvimento, melhorar faz parte da vivência e para isso procuramos minimizar as perdas de informação, dando seguimento aos projetos da melhor forma possível.

Enquanto isso, despeço-me de um país e de um povo que tão bem acolhe e que me fez sentir em casa... deixo um pedaço meu.

Deixo amizades, ficarão as saudades… e a certeza de um dia aqui voltar.

André Patrício
S. Tomé e Príncipe, 2016-2017