Testemunhos

Tempo de Passagem

Passar implica movimento, deslocamento, mudança. E que bom que é quando sentimos que a passagem nos aproxima dos outros, nos oferece novas oportunidades de amar e servir.

O primeiro momento de passagem foi vivido como resposta ao convite de Jesus a “embarcar e a ir adiante para a outra margem” (Mt 14, 22), partindo ao Seu encontro para, em tudo, amar e servir.

Cheguei a São Tomé e Príncipe no dia 12 de setembro e desde essa altura que a gratidão tomou conta dos meus sentimentos e faz transbordar o coração de alegria. No aeroporto, fomos recebidos, com grande entusiasmo, pelos seis Leigos que estavam em São Tomé (o André, a Catarina, o Leonel, a Marta, o Tiago e o Zema). A partir desta altura começámos a viver um “tempo de passagem” dos projetos que vimos integrar neste ano de missão, inteirarmo-nos das fases, desafios e dinâmicas de funcionamento de cada projeto, conhecer as pessoas envolvidas, entrar no ritmo, etc.. Enquanto passava de casa em casa, fui surpreendida pela forma como fomos recebidos pelas pessoas destas comunidades locais, que em cada sorriso e cumprimento deixavam transparecer um misto de alegria e curiosidade. E se esta é uma marca deste povo, saber receber e acolher, connosco acresce o facto de sermos os novos Leigos e, por isso, sermos da casa. Que privilégio! Como dizia um senhor há uns dias “parece que vêm todos da mesma escola” e dizia outro a rir “Joana também vai ser santomense!”. É só isto que esperam e é isto que procuro: ser LD e viver com eles, como eles, para eles.

Tudo isto foi vivido ao lado dos voluntários que viveram nesta terra um ou dois anos em missão. E que graça que é sermos acompanhados e, principalmente, podermos conhecê-los e conhecer os outros através deles! A forma como nos ensinam, pelo seu exemplo, a amar e mais amar, nas alegrias, consolações mas também nas dificuldades e inquietações que a missão traz. Esta foi para mim a passagem mais importante e transformadora, a passagem que recebemos dos seus testemunhos de vida, a capacidade de olharem como Deus olha para quem os rodeia, de saber pensar e viver com sabedoria, de terem sempre tempo para servir.

Escola Basica de Porto Alegre conhecer

Escreveu o Leonel em tempos e não encontro melhores palavras para descrever a gratidão que sinto: “Que beleza os homens que marcam na sua vida a vida dos outros e os conduzem ao mar infinito do amor libertador. Que beleza a minha vida não ser minha e estar marcada na areia do caminho que vou percorrendo até ao mar”.

E é difícil compreender como é que em tão pouco tempo se criam laços tão fortes! Não houve horas nem dias suficientes para que tal pudesse acontecer com tanta intensidade e, por isso, só pode ter havido uma passagem de tempo, do tempo cronológico para o tempo de Deus e assim as três semanas já podem ser uma eternidade porque não são os ponteiros que contam, aqui a medida é o amor!

Joana Marques
S. Tomé e Príncipe, 2017-2018