Testemunhos

“Desculpe mamã, acha que me pode alinhavar esta camisola à medida de Cristo?”

Foi-me pedido vir para aqui, para Benguela, em Angola, vestir esta camisola à Sua medida e com marca de água dos Leigos para o Desenvolvimento. Dei por mim com receio que não me servisse, por haver risco de me ficar justa na cintura larga do meu ego ou por ficar larga no colarinho da minha falsa humildade.

Mas o corpo que trouxe é o mesmo e a camisola vai sendo ajustada a cada dia, porque na verdade não me é pedido ter outro corpo, mas sim saber quais são estas medidas de Cristo, o que é que implica de facto vestir esta camisola. Sorte a minha que me calhou um projeto em que existe sabão para me limpar a camisola do pó que acumulo e em que existe a costura para me acertar os pontos que se desviam do molde inicial.

Para além de ter de aprender a vestir esta camisola, terei de testemunhar que a visto de facto escrevendo as diversas histórias de vida que me esperam nesta terra alaranjada. Fica então a pergunta: como é que posso testemunhar o vestir desta camisola, se até eu própria a visto do avesso naquelas manhãs de sono e preguiça?

Será de facto uma tarefa difícil porque para além da frágil incapacidade de vos colocar na minha pele por limitações de uma escrita meia confusa e baralhada, lembrei-me que deixei esta camisola a arranjar com uma das mamãs da costura para acertar com o tal molde inicial.

Bem, talvez não queira esgotar já a vossa paciência africana e deva começar a escrever-vos sobre estas mamãs e sobre as suas mãos enrugadas que me lavam a alma e me fazem a bainha ao coração. São elas o corpo vivo do projeto Epongoloko Lyukay*. A sua mudança foi sendo manifestada ao longo destes anos, com a ajuda de tantas outras voluntárias dos Leigos para o Desenvolvimento que vestiram a mesma camisola que eu vesti e que foram vendo o crescimento deste grupo acontecer quase como o pé de feijão a brotar do chão. Tornaram-se mestres do sabão, aprendizes da costura, curiosas do mundo empreendedor. Foram-se desenrascando e criando oportunidades para terem um saber que não ocupa lugar mas ocuparem elas mesmas o seu devido lugar na sociedade.

Tenho a incumbência este ano de regar uma última vez este pé de feijão com a água vinda do suor do trabalho de todos os voluntários dos Leigos para o Desenvolvimento que por aqui passaram. E é uma grande responsabilidade, mas também uma grande tranquilidade porque assim já sei que esta camisola serve a diferentes tamanhos, feitios e manias. E que tantos outros tamanhos,  feitios e manias conseguiram alinhavar esta camisola à de Cristo.

Por isso é dar tempo para a paciência da aprendizagem se manifestar, dar tempo para esta mamã alinhavar a camisola à Sua medida.

Voluntaria Teresa e Mama Mudanca da Mulher

Teresa Cruz
Benguela, 2017-2018

* Projeto Mudança da Mulher