Testemunhos

Não há verde como em São Tomé

“Não há verde como em São Tomé…”, recordava a doce Ana com a felicidade de ter estado em missão pelos Leigos para o Desenvolvimento nesta terra de encantos verdes.
Há muitos verdes em São Tomé. Verde intenso cor da natureza bruta, verde dourado espelho do sol, verde prata da chuva que suaviza, verde mesclado no azul sereno do mar, verde com sonhos de esperança...

Foi esta esperança que me trouxe até São Tomé, num ímpeto de dar mais de mim, de ser mais com os outros, de ter mais com Deus. Mais na simplicidade, mais no sentir e na alegria partilhada, mais em Amor.

Um despertar que começou em Portugal, pleno de inestimáveis momentos. O lava-pés da madrinha Nídia (formadora LD), caminho abençoado, mistura de lágrimas confusas por tamanha graça. Felizes instantes vividos com os colegas da formação ao longo de 9 meses - Rita, Anabela, Andreia, Luísa, Sónia, Manel, Pedro, Carolina… O menino Carlos e a menina Fátima… Partilhas sinceras de dúvidas e alegrias, e a certeza que as nossas missões seguem unidas. Sentir que faço este caminho com os meus de sempre, família e amigos queridos, fortalece-me e impele-me a prosseguir.

“São Tomé vai encher-te o coração!”, dizia a Carina com brilhante nostalgia no olhar, revivendo o seu ano de missão pelos Leigos para o Desenvolvimento. Volvidos dois meses da minha chegada, o coração segue inquieto e a tentar decifrar o que verdadeiramente sente, mas vai-se enchendo de emoções, de respeito e admiração por estas pessoas que dão tudo de si. Que força é essa pescadores de redes destemidas, lavradores de terras austeras, mulheres de mil lavores, meninos com sonhos de gente crescida? E de onde emana esse sorriso sentido e verde de esperança? Cor do esforço dedicado, da ternura das mamãs, pigmento quente dos corpos alegres, crianças embaladas na suave cadência da natureza, sopro fértil do mar.

Verde Sao Tome e Principe

Talvez aqui o Amor se pinte de verde.

Marisa Queirós,
São Tomé e Príncipe, 2017-2018