Testemunhos

De dias comuns se faz a Missão

É mais fácil partilhar acontecimentos extraordinárias de missão como os dias de festa, as visitas, as experiências diferentes que vivemos, mas a missão faz-se maioritariamente de dias “normais” que preenchem e que dão sentido ao nosso trabalho e à nossa vida. Os dias extraordinários dão cor e beleza, mas são os dias comuns que delineiam os contornos da nossa vida, dando-lhe forma e solidez.

Os dias comuns são extraordinários porque são desenhados pelo amor que encontramos no serviço e na relação com os outros. Um amor que não precisa de ocasiões nem condições especiais para ser partilhado e que se revela a cada instante. Encontro a sua manifestação no Grupo Comunitário quando os representantes das associações, empresas, serviços públicos e administração local destas comunidades que procuramos servir (Porto Alegre, Vila Malanza, Ponta Baleia e Ilhéu das Rolas), se sentam à volta da mesma mesa para, unidos, lutarem pela felicidade comum. Este amor partilhado toma muitas expressões: umas vezes na alegria das pequenas conquistas, como a limpeza da vala de Vila Malanza, outras vezes envolve as vozes de desânimo, transformando-as na persistência necessária para resolver assuntos mais complexos como a luta pela energia em Ponta Baleia.

É também este amor que se manifesta naqueles que tomam a responsabilidade da obra de reabilitação do Centro Cultural Comunitário de Porto Alegre, assumindo uma obra que pretende servir a comunidade, revelando este amor tanto quando se mostram cansados pelas dificuldades impostas, como quando arregaçam as mangas e reajustam os planos com soluções criativas.

É o mesmo amor que permite que o Grupo Forte da Comunidade de Malanza em poucos meses revele a sua força na união e no compromisso de servir a comunidade. Caminhamos com passos pequenos mas firmes, para que este grupo se torne uma associação que pretende colmatar necessidades de Vila Malanza, como a construção de um centro recreativo, de latrinas, a limpeza da praia e a sua preservação, etc.. Não faltam sonhos, nem esperança, no olhar de cada pessoa que faz deste grupo, um (o) Grupo Forte.

Além disto, os dias normais são preenchidos por encontros constantes, quer seja com pessoas com quem me cruzo no caminho e nas casas por onde passo, com quem partilho cumprimentos, olhos nos olhos, outras que me oferecem um banco para poder descansar, “estar só”, de corações entregues, e as que levantam os olhos para o céu para apreciar o voo dos falcões, mesmo que eles sejam uma constante nos nossos dias. Em tudo isto, há amor.

Passeio Pastoral Praia Grande

E o que vivo em comunidade LD, um amor que sustenta e constrói, e que se vive na partilha de toda a vida, onde tem lugar a verdade do que se sente, o cuidado mútuo, a exigência constante da transformação do olhar para ver o outro como Jesus vê. É amor que encontro, na simplicidade de cada dia, na confiança partilhada de quem sabe que o melhor sítio para se estar é onde Deus nos convida a estar, juntos.

E é por tudo isto que os dias comuns se tornam extraodinários, porque Deus nos permite vivê-los por e com o Seu Amor.

Joana Marques
São Tomé e Príncipe, 2017-2018