Testemunhos

É tempo de renascer

É sexta-feira Santa. Aproxima-se a Hora, o momento para o qual fomos tentando preparar os nossos corações, “morrendo” nas pequenas coisas que nos vão afastando do amor, para renascermos na Páscoa.

“1.º Estação – Jesus é condenado à morte”. Começa a Via Sacra, de Porto Alegre a Vila Malanza, que organizámos no âmbito da missão da Pastoral, na qual todos os voluntários dos Leigos para o Desenvolvimento em missão, enquanto leigos missionários, se põem ao serviço da Diocese e do Bispo local, para levarmos a Páscoa às comunidades do Sul de São Tomé nas quais trabalhamos – Porto Alegre, Ponta Baleia, Vila Malanza. Somos poucos, caminhamos atrás da cruz carregada pelo Ney com devoção. Ainda cheios de força, avançamos ao som das músicas que já não ouvia deste o meu tempo de catequese; “Guiado pela mão com Jesus eu vou…”

Via Sacra STP

Com naturalidade, cada um foi assumindo um papel: a Diana, de 10 anos, leva as imagens ilustrativas das estações da Via Sacra e procura, com entusiasmo, no final de cada meditação, a imagem seguinte; o Ney e a Madalena ocupam-se de animar a caminhada com músicas que nos ajudem a rezar com os pés; a Joana, sempre com o seu olhar sensível, vai acompanhando os que, já cansados, ficam para trás; uns encarregam-se de dar força às orações de repetição que fazem parte do caminho, outros da leitura das meditações; e todos aqueles cujas forças ainda permitem vão partilhando a responsabilidade de carregar a cruz.

Avançamos.

“9.ª Estação – Jesus cai pela terceira vez”. Os pés já cansados e o calor que se faz sentir, intensificado pela humidade tão característica da região, abranda o ritmo da caminhada. Felizmente, ao longo de todo o caminho somos consolados pela beleza natural que nos acompanhada e pelas breves aragens que passam. Damos graças pelo caminho e continuamos.

Via Sacra STP 2

“13.ª Estação – Jesus é descido da Cruz“. Avistamos o outro grupo, que fez a Via Sacra de Ponta Baleia a Porto Alegre, ao fundo. Também estão a chegar! Passados 55 minutos da hora agendada para rezarmos juntos a 14.ª Estação, antes da Adoração da Cruz, chegamos todos, ao mesmo tempo, a Vila Malanza. Afinal, Ele cuida mesmo bem!

E foi feita de momentos destes, em que a simplicidade das celebrações é compensada pelo amor que cada um põe naquilo que faz ao serviço dos outros, que a Páscoa foi vivida em missão. Quanto a renascer… isso ficará para quando aprender que posso viver a Páscoa todos os dias no meu coração.

Constança Nunes
S. Tomé e Príncipe, 2017-2018