Testemunhos

Outra perspectiva

Quando arrancamos com um projeto de desenvolvimento comunitário, quando queremos trabalhar com as pessoas para uma vida melhor, temos de aprender a ver noutra perspetiva. Já não a nossa mas outra. Talvez também não seja apenas o olhar do outro que procuro mas sim um olhar conjunto. Uma perspetiva comum.

Neste sentido se queremos o desenvolvimento humano, assente na crença profunda de que cada pessoa e comunidade tem a capacidade para definir o seu próprio futuro, temos de saber atravessar pontes. Exige de nós que nos ponhamos na posição de aprendiz, uma posição de escuta e observação. Uma posição difícil porque, sem esquecer quem sou, devo ser capaz de me deixar moldar pelo outro e que esse outro, com quem quero trabalhar, seja fonte de aprendizagem e reflexão sobre o ‘meu’ olhar.

É por isso outra perspetiva que procuro agora, deixando-me levar pelo outro para que, juntos, encontremos um caminho comum para o desenvolvimento humano, aqui no Monte da Caparica. Todos os dias há algo a aprender, quer seja com a senhora da paróquia, quer seja com as pessoas que aqui trabalham há 20 anos todos os dias na rua, quer seja com algum jovem com quem me cruzo e que me fala do que é crescer aqui e das aprendizagens que retira, da resiliência que o bairro oferece. Eu não sou daqui, venho do outro lado mas quero muito ouvir e escutar estas histórias de luta para fazermos caminho juntos. Alguém dizia que não devíamos procurar ser “change makers” mas sim “inter-change makers” – muito mais interessante assim.

Aqui o Cristo também não é igual. Aqui vejo-O de costas como tantas vezes os discípulos o terão visto ao segui-Lo. Mas o caminho é o mesmo, é só uma perspetiva diferente.

Cristo Rei outra perspetiva

Constança Turquin
Caparica-Pragal, 2017-2018