Projetos Concluídos

MISSÃO DE VISTA ALEGRE
 
Foi na roça da Vista Alegre que tudo começou. Enquadrados na missão médica portuguesa do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, foi ali que nasceu a primeira comunidade de Leigos para o Desenvolvimento: Miguel, Minês, Ana, Mela , Vasco, e Manuel. No início, pouco estava definido, muito havia a fazer. No entanto, a prioridade era darmo-nos a conhecer e por isso a presença e o estar com as pessoas (crianças, jovens, idosos) constituiu o elemento fundamental de ser LD. Com a presença duma enfermeira, a Mela, foi dado o apoio ao Hospital Central de São Tomé. Nos anos seguintes, outras médicas e enfermeiras apoiaram ao nível de consultas e em ações de educação para a saúde.
 
Anualmente, as comunidades de LD recebem uma visita de um elemento da Direção e de um Assistente. A primeira visita do P. António, fundador e Assistente Nacional, era muito esperada e foi um momento importante para ouvir, observar, animar e dar sentido à missão.
 
MISSÃO DE AGUÁ IZÉ
 
As comunidades que viveram em Água Izé, de outubro de 1989 a 1997, dedicaram-se a verdadeiros projetos de desenvolvimento comunitário. Tratando-se Água Izé de uma roça, o ponto de partida do trabalho efetuado foi a capacitação dos agricultores aí residentes através do desenvolvimento de associações e cooperativas agrícolas. 
 
Numa dinâmica de responsabilização e de participação comunitárias, os LD apoiaram a constituição de Associações de Agricultores que foram as promotoras de projetos tão importantes como lojas comunitárias, secadores de cacau, creches infantis, canalização de água, construção de latrinas, entre outros. Nas “dependências” espalhadas por entre largos hectares de cacaueiros e mesmo na sede da Roça, o acesso à educação e aos cuidados de saúde foram conquistas que os pequenos agricultores alcançaram com o apoio dos LD. Cursos de Alfabetização Funcional complementados com a aprendizagem de um ofício, como costura, carpintaria, artesanato, tapetes em fibra de coco, permitiram a escolarização e o aumento de competências profissionais.
 
Na área da saúde, a formação e acompanhamento de agentes de saúde comunitária e a assistência na criação e equipamento de Postos de Saúde facilitaram a prestação de cuidados primários de saúde nas “dependências” mais afastadas, disponibilizando inclusivamente fármacos e terapêuticas para as situações clínicas menos graves.
 
Seis anos de presença diária e empenhada dos LD nas várias “dependências” de Água Izé levaram a um grau de organização das comunidades agrícolas que veio a transformar-se numa vantagem, no momento em que o Ministério da Agricultura e as Nações Unidas decidiram implementar um projeto piloto de luta contra a pobreza em São Tomé e Príncipe. 
 
Em 1995, os LD estabeleceram um protocolo com o Projecto Luta Contra a Pobreza e passaram a fazer parte de uma equipa multidisciplinar de técnicos/voluntários estrangeiros e são-tomenses, dando continuidade à sua intervenção, agora de forma mais integrada (construção de vias de acesso, instalação da canalização de água, recuperação/construção de habitações, vulgarização agrícola, micro crédito). 
 
Mais tarde, percebendo que o Projeto estava a privilegiar especialmente a população masculina, os LD promoveram uma formação em Desenvolvimento Pessoal de 15 mulheres que veio a traduzir-se na constituição, por elas próprias, de Associações de Mulheres e na formação e organização de pequenas atividades económicas locais. 
 
Ainda em Água Izé nasceu, em 1993, uma Cozinha Social dirigida aos idosos mais carenciados da sede da Roça e que funciona até aos dias de hoje. Com o apoio de outras organizações e entidades são-tomenses, construiu-se de raiz um edifício que permite a confeção e o serviço diário de refeições a uma média de 30 idosos. Atualmente, além das refeições, a Cozinha Social presta cuidados de saúde, proporciona atividades de ocupação dos tempos livres e apoia a recuperação das habitações dos idosos. 
 
Há mais de 10 anos em Neves, a Irmã Lúcia, pertencente à Congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras, foi a grande impulsionadora de um conjunto de ações na cidade de Neves. Mantendo uma relação próxima com os LD, que já haviam feito pastoral no Distrito de Lembá (no norte da ilha), a convite desta religiosa, os LD foram apoiar o Centro de Apoio Escolar e Bibliotecas da paróquia. Esta colaboração teve início em 2005, sendo as Irmãs as responsáveis do projeto, enquanto os LD apenas davam apoio ao nível da planificação mensal e da formação de animadores. Desde então, os LD têm vindo a reforçar a sua presença em Neves, estando desde 2008 também na escola pública - Escola Secundária de Neves. A perseverança das Irmãs e a estreita relação que têm com a população local, o investimento que têm feito na responsabilização dos recursos humanos locais e o seu sentido de apropriação, fazem com que aquilo que dantes era um conjunto de atividades soltas, seja hoje um projeto integrado e abrangente com cerca de 60 trabalhadores. 
 
Reflexo mais visível do nosso “ser cristão” é a ação pastoral que integramos, expressa na animação de Eucaristias, na catequese, no acompanhamento de grupos de jovens e na organização de retiros.